sábado, 21 de janeiro de 2017

copo de veneno

por o ritmo das sílabas em marcha
rimar como címbalos de rocha
criar a mais bela dança semântica

(e perder toda a poesia
bebendo doses diárias de ódio)

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

aceitar

um amor que não seja
uma tragédia de Shakespeare
uma amizade que sobreviva
às contradições
uma chuva que esfrie sem matar
aceitar que onde quer que eu vá
já estou onde deveria estar



sábado, 31 de dezembro de 2016

Contra a bad que bate, e ela bate por causa do pensamento em bloco, coloco em um ciclo o tempo.
Um ano inteiro que vai começar e terminar.
Meses inteiros que vão começar e terminar.
Dias inteiros que vão começar e terminar.
Minutos, segundos, começar e terminar.
E quando acabar eu não vou estar lá.
Contra a bad que bate, coloco o tempo em ciclo <3 p="">

sábado, 17 de dezembro de 2016

cala a boca já morreu

ainda que este poema não atendesse aos cânones de universalidade da poesia brasileira contemporânea;

ainda  que ele fosse um soneto ruim, rimas pobres ou umas quadrinhas bem chinfrins;

ainda que ele só falasse de mim;

ainda que ele arrastasse  uma prosaica estranha;

ainda que eu o tatuasse suas letras disformes em minhas entranhas;

para desgosto dos poetas classistas ensaistas  puristas;

ele ainda seria um poema.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

testamento


Deixo para aquele pau-ferro plantado ali na calçada
meu direito de ser gente
seus galhos avançando sobre o muro
querendo entrar em casa
dizem que ele merece esse direito mais que eu

espelho

assusta
a profundidade sombria
do espelho d'água
de meus olhos
eu sei

porquanto
não espere ver seu rosto
no reflexo

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

gambiarra

ainda está invisível
mas alguém já está inventando
um solução inesperada e caótica
para por fim a esta dose de perplexidade
que eles nos administram todo dia

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

meu desejo

há um ano
e muitos meses
partiu o meu desejo
em sua direção
desde então
observo-o de longe

tanto tempo
e nada de notícias
do meu desejo

ou perdeu-se no caminho
até a sua cama
ou fez de você
sua nação

(inspirado no poema  "Hace dos años" de Maram al-Masri)

podia ser música


pensar em você
faz soar em mim
uma canção espessa
sons de selva

podia ser música
mas este poema 
é só uma carícia