sábado, 24 de setembro de 2016

o mais belo mito

há que se fechar os olhos
passar ao largo
pelas pequenas dores cotidianas
uma falta de grana
um filho alto demais
para a carícia na cabeça
as ordens são explícitas
não pare de sorrir


a casa
a horta
o jardim
uma garrafa
e nós a fragata

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

variações para a mesma solidão

sete variações da mesma resposta
para a pergunta
seu marido não vem?

está trabalhando
foi visitar a mãe
está cozinhando
não gosta de sair
não vai à casa de ninguém
chora por descascar cebolas
morreu na contramão atrapalhando o tráfego

uma ambição era ser
como estas mulheres
de face circunspecta
refletindo segredos

ou ser como estas belas
que por qualquer desamor
tornam-se anoréxicas
pálidas e magras

eu não
sou um livro aberto
boca escancarada
a mim a rejeição causa fome
e por qualquer prato de carne
abro exceção à dor

demorou um século para eu ser sozinha sem-vergonha






segunda-feira, 19 de setembro de 2016

ardis inúteis para parar o tempo

me persegue feito um louco
navalha na mão
o tempo

meus flertes com a morte
o aborrecem
mirem os talhos em minha cara
foi o tempo quem fez

a despeito daquela velha história 
acerca do barro
para o tempo sou silício,
terra permeável

(não fossem as ampulhetas
seriam improvável pensar em areia
sem imaginar relógios emperrados)




sábado, 17 de setembro de 2016

Treze anos e intensidade suficiente para subir em um caminhão de eventos na maior praça de Nova Lima e fazer a pior execução possível do "trem das onze" dos Demônios da Garoa. Era a única letra completa que eu conhecia mas por Deus, eu queria estar lá em cima! O que se seguiu foi uma vaia tão ruidosa que ecoa em meus ouvidos até hoje.
Situações como esta se repetem em minha vida, dada a minha vaidade e desejo absoluto de ser vista. E devo dizer, a despeito do choro e da tristeza, que elas são os mais úteis golpes ao meu ego inflado.

"As brigas que ganhei
Nenhum troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei

As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci"

https://www.youtube.com/watch?v=UxZnFM-8SuU

minhas mãos cheiram à tristeza

não é um algoritmo
é por acaso
um dia você para e pensa
"se ela me amasse
me escreveria poemas de amor?"

por acaso é que pensa
"tenho sede
poderia saciá-la em teu seio"

por acaso é que deseja
deslizar nas curva incertas
de minhas ancas

por acaso é que pensas
na bela dança que poderíamos executar

não te seduzas ao acaso
em mim o caos se mistura com as coisas belas
nuvens, sol, brisa
sou um abismo
para o qual ninguém deveria olhar

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

outro dia de mania

repito "vou morrer"
como quem sabe finita a vida
mas ainda não acredita

morrer sem ter tido um gato
estar no quinto andar
e não poder saltar

lá fora
um alfabeto de mentiras
convoca minha atenção
aqui dentro
um incêndio
de palavras eufóricas


assopro as cinzas quentes do amor
e o que tenho é um vapor
frio no lugar da carne
congelo estúpida
instantes de olhar


estou aqui agora
depois serão apenas os livros
os vestidos
e os sapatos
e a falta de coragem para doar


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Às vezes - Lety Elvir Tradução Norma de Souza Lopes

Às vezes
uma- eu- só quer
que alguém- vós - venha
passe sua mão em meu pescoço
pouse sua língua fresca
                      -ou de fogo-
em minha boca aberta
indecentemente molhada
que erga meus pontos cardeais
                      -carnais-
Às vezes
uma só quer
beijar tua cintura, tocar tuas nádegas
em qualquer esquina cega.
Sentir-se viva
em meio à tanta neblina.

Às vezes
uma só quer
perder-se na noite  de alguém
descongelar o frio entrincheirado em seu peito
levantar a saia
gritar-te muitas verdades.

in http://emmagunst.blogspot.com.br/2016/09/lety-elvir-3-poemas-3.html

domingo, 11 de setembro de 2016

Este é pelas doentes mentais Poesia de Sol (Valencia, Espanha) Tradução Norma de Souza Lopes

Este é pelas doentes mentais.

Este é pelas que jamais marcharão em uma manifestação.

Este é pelas que guardam um vidro de pílulas na mesa de cabeceira.
Pelas que disseram não às pílulas.
Pelas  que disseram PÍLULAS, POR FAVOR.
Pelas que não puderam se permitir as pílulas
Para aquelas que não podem pagar as pílulas
Porque todavia temos que pagar pela sobrevivência
Mesmo quando a pessoa que está segurando a faca
Dorme em nosso peito.
Este é para aquelas de mãos suadas e ombros tremendo.
Por que elas não podem gritar por seus direitos, porque elas estão com a respiração fora de controle.
Por que elas chamam de um bom dia
Quando podem sustentar a respiração.
Por que eles chamam Renascimento
Quando podem sustentar-se a si mesmas.

Pelas que trocaram segredos da infância
Por tinta amarela,
Porém Freud nunca supos realmente como ajudar.

Este é pelas que não só ouvem vozes
mas tem um coro inteiro na cabeça.

Este é pelas que nos dizem
‘o lugar de uma mulher é
Na revolução’
Quando nem sequer podemos sair da cama,

Pelas que tem alterações de humor tamanhas que poriam fogo no mundo
E engoliriam as cinzas amanhã à noite.

Este é pelas que tem amnésia e esquecem quem são
Mesmo quando estão mais orgulhosas.

Este é pelas que não podem nem ler um livro.
Como vão se formar em uma ideologia inteira.

Este é pelas que não podem lutar  para sair das mãos dos homens
Porque as vozes deles disparam flashbacks.

Este é pelas que não podem beber e recusam os convite
Pelas que não podem beber e continuam indo.
Pelas que não deveria beber
Porém que se apresentam bêbada, drogadas, fumadas nas concentrações e assembleias
Porque não conseguem para de consumir.

Este é pelas que levam com tanto orgulho as cicatrizes auto-infligidas como suas bandeiras
Pelas que se envergonha todavia de ambas.

Este é pelas que necessitam aviso de conteúdo sensível para o mero contato humano.

Este é pelas que leem sobre liberação sexual
Porém só ouvem: foda, foda, foda, assim, foda mais.
Quando elas só querem poder deixar de foder.

Este é pelas vítimas de abuso sexual que parecem que não são
bastante revolucionárias por não fazer a revolução fodendo.
Pelas que não podem parar de foder para não ferir a si mesma e não são "boas vítimas".

Este é pelas más feministas,
Pelas tontas,
Pelas que não denunciam
Pelas que permanecem junto a seus maltratadores.

Este é pelas que não se atrevem se a chamar de assédio, abuso
A violação.

Este es pelas que convencem a suas amigas e namoradas que podem estar gordas e serem bonitas
Porém racionam a comida se engordam um grama.
Pelas que se enchem de comida vegana nos cafés
Porém não descansam enquanto não vomitam tudo antes de chegar em casa.
Pela las que não podem deixar de comer
E não parecem ter o direito de amar enquanto não emagrecem.
Este é pelas que querem ser veganas ou vegetarianas
Porém teriam que deixar de odiar a comida para começar
Pelas que querem fazer-se veganas ou vegetarianas
Porém sentem que já é bastante cruz para seus pais ter uma filha doente.

Este é pelas que ouvem que o suicídio, a medicação e a psiquiatria é coisa de fracos
E não podem recordar nada que lhes exija maior força que pedir ajuda.
Pelas que não vão às manifestações, palestras e encontros porque tem terapia
E terapia não é um capricho, é suor
Terapia é sobrevivência.

Este é pelas que  não são capazes de armar um barricada que pare o dilúvio universal que choram a cada dia.
Pelas que choram em público
Pelas que solução nas reuniões
Pelas que berram nas concentrações.

Este é pelas que sabe todo o abecedário do consentimento
Porém nunca são capazes de articular um "não".
Pelas que se acham paralisadas de medo diante de uma agressão e não podem nunca ajudar a vítima
Sobretudo quando as vítimas são elas mesmas
Pelas que não podem sonhar em fazer a noite
Porque não é seu nem o seu corpo.

Este é pelas que não sabem distinguir entre medo inculcado e seus transtornos paranoides.

Este é pelas que não sabem distinguir entre suas paranoias e as micro-agressões

Este é pelas que querem sonhar com o futuro distinto porém estão demasiado ocupadas tendo
alucinações.

Este é pelas que ouvem que haverá de acabar com a monogamia e tem impulsos suicidas apenas por suas amigas falem com outras meninas.
Este é pelas que vem listado seus sintomas em todas as listas de maus tratos
Pelas que temem ser inerentemente tóxicas.

Este é pelas que querem reverter o sistema e tem medo de ruídos fortes.

Este é pelas que participam de reuniões executando repetições obsessivas e compulsões manuais
Por aquelas que nunca participam pelo mesmo motivos.

Este é pelas  esquizofrênicas que vem sua enfermidade convertida em uma estética "anti-sistema"

Este é pelas loucas controlas que ouvem falar desse "louco" controlador
Pelas psicopatas maltratadas cuja enfermidade é tratada como um insulto chamado "abusador".

Pelas sobreviventes que buscam espaços arco-iris e só encontram festas e
conversas sobre  sexo.
Pelas sobreviventes que em nada acreditam porque
sua parceira do mesmo sexo as agrediu
Pelas sobreviventes que tem que se ver cara a cara com seus agressores e maltratadores em espaços
"liberados".

Este é pelas que sofrem abusos, inclusive sexuais,  nas mãos de irmão, amigos, parceiros e psiquiatras e que amplificam  a tragédia de que, por ser louca, ninguém acredita.

Este é pelas que que querem que o poder seja para o povo
Porém não são capazes de estar rodeado por este povo.

Este é pelas que sofrem maus tratos.
Porém ninguém chama por esse nome porque é "só" psicológico
Mesmo quando estes são os golpes que deixam as piores cicatrizes.

Este é pelas que não são maltratadas por seus parceiros e família
Porém ninguém parece entender que um amigo também pode se muito mais que tóxico.

Este é pelas que querem mudar a realidade
Porém não distinguem bem onde ela acaba
E onde começa a enfermidade.

Este é pelas que querem despertar aos alienados
E às vezes se perguntam se não será porque elas nunca conseguem dormir.

Este é pelas que não permitem que as defina seu reflexo em nenhum espelho
Porém há muito não são capazes de se mirar neles.

Este é pelas que não se reconhecem nos espelhos.

Este é pelas que roem as unhas, que arrancam a pele, o cabelo
Pelas que levam as marcas da doença mental gravadas fisicamente no corpo.
Este é pelas que se ferem sem necessidade do fio de uma navalha
Pelas que usam fogo, a boca, os punhos
Pelas que não necessitam mergulhar na física para fazer-se sangrar.

Este é pelas autistas que não encontram nem um só manual de relações saudáveis, de sexo com
consentimento
Que inclua suas formas de comunicação.

Este é pelas que cheiram mal, pelas de cabelo oleoso, pelas de mal hálito por causa dos dentes sem escovar durante dias
Pelas que não podem nem se banhar.

Este é pelas que sabem que tem esterilizado a força das mulheres por ser como elas
E, no entanto a sua luta como doentes mentais é considerada de "segunda".

Este é pelas que lutam através da Internet
Porque não o podem fazer na rua.

Este é pela que nuca poderiam sair à rua.

Este é por nós todas, porque somos tudo: não só válidas como valiosas, tão
importantes,  vitais e cruciais como a mais cordata e a mais saudável.
Porque esta também é nossa luta, e duplamente, porque além de sermos mulheres e estarmos doentes
e isso já é o suficiente para mandar-nos calar tanto dentro quanto fora.

Porém viemos carregadas de palavras, e às loucas faz muito bem gritar.

in http://emmagunst.blogspot.com.br/2016/09/sol-esto-esto-es-por-las-enfermas.html

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

rol de lavadeira

"mandei caiá meu sobrado
mandei, mandei, mandei
mandei caiá de amarelo
caiei,caiei,caiei "

um pássaro invisível
pousado no ombro
assopra tristes canções à lavadeira
ela canta e reconta o rol 
que lhe valerá a janta

pedras esbranquiçadas
das pancadas dos panos
alvos como um menino e um cachorro 
quarando a fome à margem do rio





'Rol de lavadeira'
tabela de madeira recortada e entalhada, proveniente de um convento de Lisboa, século XVIII