quinta-feira, 1 de junho de 2017

nada a fazer contra o desperdício

repito palavras para trazer à memória
imagens apagadas por segredo e susto
nada a fazer contra o desperdício
dias em que tu, mais uma vez
não pousou tuas mãos
sobre minha nudez
de leite e outono

amanhece e meu corpo sussurra, "entre"
meu coração se cala, porém
isso de sermos feitos
da mesma massa
orgulho e medo
há de atrasar por séculos
um encontro épico
a mulher em chamas
o homem de sombra
e selva

Nenhum comentário:

Postar um comentário